“Vivemos esperando o dia em que seremos melhores. Melhores na dor, melhores no amor, melhores em tudo.”

Pensei em parar de escrever por algum tempo, até tudo resolver-se e voltar ao normal. Minha tristeza envolve meus dias, meus versos, palavras... A música que embala meus sonhos, já não é a mesma de antes.
Devo ser forte. Mas ás vezes a fraqueza toma meu coração e me transforma em lágrimas. Lágrimas sinceras, de dor, de amor.
Eu estou triste a tal ponto que não consigo concentrar-me em nada. Amor, eu te amo.
E nessa semana eu descobri que amo você de verdade, muito mais do que falo. Muito mais que meu coração diz.
Acho que nada é por acaso, mas não acredito em destino. Cética? Sim!
Era tão cética ao ponto de não crer no amor entre homens e mulheres. Mas agora eu vi que existe sim e que eu amo você.
Eu poderia morrer se você me deixasse aqui, sem sua presença. E é sério! Você é tudo na minha vida.
Amor, enquanto você não estiver bem... Eu não conseguirei escrever.
Você é a minha inspiração. Quem me dá forças para seguir em frente, quem me abraça quando estou com frio e triste. Você é a minha fortaleza.
E agora eu descubro que princesas ás vezes tem que serem fortes para seus príncipes.
São elas que cuidam deles quando se machucam, elas dão forças, apesar de terem seus corações chorando por dentro.
Princesas também choram, sofrem, sorriem, mesmo nada estando certo.
Agradeço a Deus por ele ter devolvido a sua vida para mim. E saibas que nunca, nunca vou deixar você. Porque eu te amo de verdade, do fundo do meu coração.
Dias melhores estão por vir, e os planos de agora? Deixaremos você melhorar, e bem... Temos todo tempo do mundo!
Prometo tentar ser uma namorada maravilhosa e vamos vencer essa juntos!
Eu tenho certeza de que isso aconteceu para vermos se realmente nos amamos e se realmente queremos ficar juntos.



Read Users' Comments ( 0 )

Sem título.

Era uma noite de lua cheia, estava à espera daquela doce figura que envolvia minhas noites e meus dias. Encostado ao tronco perto do mar, este que refletia a imensa lua que havia no céu; peguei meu violão e comecei a dedilhar com o pensamento nela.
A noite estava tão perfeita que a vontade era de tê-la aos meus braços, sentir seu calor, sua voz em meu ouvido, seu coração bater rapidamente a cada beijo que nos envolvia.
Continuei a dedilhar notas por meu violão e cantarolar melodias de amor. Cada nota que tocava, lembrava-me dela. Seu sorriso, suas lágrimas ao ouvir-me tocar. Ou o modo como ela me pedia para abraçá-la quando estava com frio.
Acendi uma fogueira, armei minha barraca e ali na areia fiquei a olhar para as estrelas, talvez pensando em onde ela poederia estar, já que ali, perto de mim ela não estava.
Era mais um jovem apaixonado, um poeta sofredor, que mesmo com dor, continuava a buscar sua musa inspiradora. Entre lágrimas, sonhos, lembranças... Adormeci pensando em quando a encontraria novamente. Eu, um romântico, apaixonado, faria qualquer coisa para tê-la aos meus braços e a fazer dormir e sonhar como só os anjos de pura candura fazem.
Estava sentindo-me sozinho, mas as calorosas lembranças que tinha dela, faziam-me viver para esperar pela tal como eu sempre fazia.
Entre a fogueira, o mar, a lua e as estrelas; adormeci.
Eis que a jovem aparece com aquele vestido branco e leve como um anjo. Aquele sorriso doce... Ingênuo mas malicioso ao mesmo tempo, como somente ela sabia fazer. Ela puxou-me pelas mãos e saímos correndo pela praia. Como ela estava linda! Aquela pele branca e o ondulado de seus cabelos pela cintura, seus olhos negros; estes que ardiam com tamanha paixão deixavam-me cada vez mais apaixonado. Seu caminhar vagaroso e provocante deixava-me a desejá-la cada vez mais.
Corremos, estávamos felizes como antigamente. Brincamos como duas crianças, ou ainda como dois anjos no céu. Foi perfeito. Não parávamos de sorrir, nossos olhares diziam tudo. Não eram necessárias palavras. Amávamos-nos e isso era tudo, o mais profundo, o amor mais necessário, aquele onde não precisa ser entendido, porém sentido; sentido com o corpo, com a alma com o coração. Enfim... O amor era a única linguagem, o único meio de comunicação entre nós.
Deitamos na areia, exaustos. Continuamos a sorrir, ela estava com uma flor branca em seus cabelos, seus olhos serenos repentinamente tornaram-se tristes e uma lágrima escorreu por entre a tamanha perfeição de seu rosto.
Abracei-a com toda minha alma, não queria deixar que ela escapasse por entre meus dedos novamente e se isso acontecesse, choraria. Como um verdadeiro homem apaixonado chora quando perde sua alma gêmea.
Ela olhou-me novamente com aqueles olhos tristes e nos beijamos. Foi o melhor beijo que pude receber. Um beijo com amor, com ternura, um beijo doce, vagaroso, sem pressa de acabar. E por um minuto senti que éramos de dois, um só. O real e o sobrenatural lado a lado. Senti seu rosto frio indo embora vagarosamente deixando apenas uma brisa leve me envolver.
Acordei. E mesmo sabendo que ela estava entre as estrelas e com os demais anjos lá no céu, agradeci a Deus, por ter nos dado esse presente. Ao meu lado, próximo ao violão estava a flor branca que envolvia seus cabelos. E só então percebi que aquilo foi tão real, quanto parecia. Talvez vocês não acreditem em meu relato, mas estão as estrelas, a lua e o mar como meus cúmplices e prova.
Mesmo sabendo que aquele foi o nosso último beijo, ainda vou todas as noites na mesma praia, para ver se Deus poderia dar-me novamente aquele presente. Afinal, todo jovem apaixonado sempre tem esperança.


Read Users' Comments ( 0 )

Um café pode mudar vidas...


Era uma manhã qualquer de julho... O tempo estava fechado, com nuvens carregadas por todo o céu, mas eu tinha certeza de que não era apenas uma manhã qualquer de julho... Era a minha manhã de julho.
Saltos altos e casacões por todos os cantos, homens elegantes de terno e gravata no centro da cidade... E eu... Uma pobre garçonete de uma cafeteria... Argh me poupe! Essa não é a história da Cinderela.
Estou brincando... Não sou a garçonete, mas gostaria de ser... Pois ela consegue falar com ele todos os dias, e eu... Trabalho ao seu lado no Jornal. Mas não consigo arrancar um mero “Bom dia”.
Ele é perfeito... Acho que estou apaixonada, mas não posso me apaixonar por alguém que nem ao menos fala comigo, que nem me olha... Como se fosse fácil mandar no coração!
Sentei com meu notebook na mesa e pedi para a moça um cappuccino. Ele chegou na Cafeteria. Terno e gravata com um humor incrível...
Sem querer percebi que colocaram açúcar em seu café e ele é diabético.
Trouxeram meu cappuccino e o café dele. Seria minha chance?
Talvez... Saí com meu notebook nas mãos e sentei-me ao seu lado antes dele tomar o café.
-Desculpe-me, mas eu percebi que colocaram açúcar em seu café, e acho que você tem diabetes não é verdade?
-Nossa... Obrigada!
-De nada... – Peguei meu notebook e levantei.
-Ei, fique! Tome um café comigo. Me explique como você sabe que eu tenho diabetes?
-Claro... É que trabalho no jornal onde você trabalha.
-Sério? Como nunca a vi por lá?
-Eu trabalho a noite.
-Hum... E então, qual seu nome?
-Marina Iohen.
-Ouvi falar dos seus trabalhos como jornalista e você realmente mereceu a vaga no jornal, eu selecionei seu currículo. Pena que você não é muito valorizada.
-Nossa... Obrigada.
Até aí tudo ótimo... Mas eu virei café no terno dele...
-Ai, me desculpe!
-Meu terno... Bem eu posso trocar quando chegarmos no jornal.
-OK. Mas me desculpe... – Peguei um guardanapo e limpei sua gravata, tentei secar o café na verdade, quando ele pegou minhas mãos, foi se aproximando... E...
Bem, meu celular tocou. Atendi e recebi uma proposta de emprego incrível... Pagam super bem, vou entrevistar famosos, terei acesso VIP a festas, salão de cabelos, ganharei suuuper desconto nos shoppings... Então aceitei sem pensar!
-Tudo bem? – Ele me perguntou ao me ver desligar o telefone.
-Sim... Recebi uma proposta de emprego incrível do Jornal do Centro.
-Legal... E você aceitou não é?
-Sim!
-Bem, eu preciso ir... O trabalho me chama.
-Ele pegou sua colher, e passou no creme do cappuccino. Escreveu o número de seu telefone em cima do meu notebook e me beijou.
Eu sabia que aquela manhã de julho não era apenas mais uma manhã... Depois daquele ocorrido, achei que nunca mais veria meu jornalista preferido...
Mas graças ao café, até hoje nunca deixo de ir na cafeteria da esquina... Mas agora, com meu jornalista bonitão ao lado, para deixar qualquer garçonete morrendo de inveja!


Read Users' Comments ( 0 )

Ele...
Toc-toc-toc-toc-toc...
Ele colocava o travesseiro na cabeça, virava para o lado e tentava dormir...
Toc-toc-toc-toc-toc...
Novamente... Aqueles toc-tocs insuportáveis como em todas as manhãs... Não falhava nenhum dia. De segunda a segunda.
-Que saco! Em pleno domingo de manhã essa mulher de uma figa fica batendo perna dentro de casa... Ah vai pra p...
Tentou dormir novamente...

Ela...
-Será que estou bem com esse salto? Estou pensando em trocar por outro... –Ficou ela se olhando no espelho durante horas e horas... Do quarto ao banheiro, do banheiro para o quarto... Assim eram todas as manhãs...
-Ai... Acho que esse vestido não ficou bem no meu corpo... Como estou gorda! – E ela continuou de um lado para outro tentando ver no espelho enorme do banheiro as roupas que pegava no quarto.

Ele...
Eram quase 03h30min da madrugada. Ainda sem sono pegou logo uma lata de cerveja na geladeira, abriu e ficou assistindo o DVD de rock que havia ganhado de sua colega nova do jornal... Quase tomou todo o engradado de cerveja e tentou tocar guitarra a noite toda.

Ela...
-AI MEU DEUS! Será que esse cara idiota não vai parar de enrolar nessa guitarra. Pô... TIPO... O cara não sabe tocar nada! Fica só fazendo barulho... E eu preciso dormir! AAAAAAAAAAAAAAAH! Amanhã vou estar com duas olheiras enooormes... Ainda mais na frente do cara mais gostoso que eu já conheci... Eu não agüento ser vizinha de um ogro! – Ficou ela resmungando tentando dormir com um travesseiro no rosto e fones de ouvido.

Ele...
Acordou com um bafo horrível e quase atrasado...
-É hoje... Vou ter que me declarar para a mulher mais linda do mundo...
Arrumou-se, tomou um banho e dessa vez nem se importou com os “toc-tocs” da vizinha chata. Ele estava apresentável.

Ela...
Chegou ao jornal toda empolgada...
-Ai meu Deus! Ele está vindo em minha direção...

Ele...
-Ela está linda...
-Oi Sarah! – Disse ele.
-Oi Felipe!
-Sarah... Eu preciso dizer uma coisa...
-Sim.
-Você... –Hesitou Felipe. – Viu o novo layout do jornal?
-AH... sim.
-Se ela soubesse o quanto a amo... – Pensou ele.

Ela...
Se ele soubesse o quanto eu o amo... – Pensou ela.
- Você está bem?- Perguntou a ele.
-Minha vizinha insuportável fica zanzando de salto alto pra lá e pra cá todas as manhãs e ontem acordei irritado e fiquei bebendo o dia todo até a madrugada.
-Ai... Nem fala... Meu vizinho também aprontou uma dessas ontem...
-Hum... E você está com olheiras enormes! O que aconteceu?
-Como estava dizendo... Meu vizinho idiota pegou um DVD noite passada, aquele mesmo que eu te dei... Ficou bebendo e tocando guitarra suuuper mal a noite toda! Não consegui pregar os olhos.
-Espera um pouco... Você mora no Center Place?
-Sim. – Respondeu Sarah.
-No sexto andar?
-Sim.
-Apesar de você ser completamente irritante com aquele salto alto todas as manhãs as 5 em ponto... E apesar de eu não imaginar que você era minha vizinha... Eu me apaixonei completamente por você. Mas confesso... Se eu soubesse antes que você era minha vizinha, eu não queria ter me apaixonado.
-Hahaha. Se eu soubesse que você toca guitarra tão mal e se embebeda por qualquer motivo... Se eu soubesse que você era meu vizinho, preferia não ter me apaixonado.

Ele...
Eu a beijei!
Ela...
Que beijo!

Coisas do amor; ninguém consegue entender...
Cada louco com suas loucuras!


Read Users' Comments ( 0 )